Zago esteve calmo na coletiva, mas comemorou que seu time foi guerreiro, que os jogadores tiveram comprometimento com a questão tática, jogaram como sempre, mesmo com os desfalques. Ele colocou 3 volantes, um meia armando, um atacante de velocidade e o centroavante. E foi isso que se viu em campo. Seja com Roberson armando ou quando Valdívia entrou, ambos jogaram assim.

O treinador não escondeu que sua equipe deu bobeira e, por isso, sofreu um gol que não deveria acontecer, é preciso ajustar isso. Só que ele sabe também que os jogadores mantiveram a calma apesar da pressão nos 90 minutos, sabiam que bastava um gol para tudo mudar. E ninguém se apavorou. Este é um ponto positivo.

Chamou Lomba de goleiraço, revelou que ele é um dos líderes, que foi o cara que incentivou os companheiros no vestiário antes da partida. E justamente por isso que direção e comissão técnica não deixaram o arqueiro sair, apesar das propostas que receberam.

Em mais de uma oportunidade Zago lembrou que é treinador de futebol, não é psicólogo. Sua missão não foi colocar coisas motivacionais, declaração do Neto pros jogadores. Sua missão foi organizar o time, alertar pros perigos do Corinthians, armar boas jogadas e posicionar o seu time.

Deu certo!

O vestiário do Inter após a classificação diante do Corinthians