Aranha saiu de campo dizendo que o torcedor na Arena destila ódio na arquibancada, até generalizou erroneamente que é o conceito de vida do pessoal do sul é de ser racista, mas é um fato, comprovado estatisticamente, que o RS lidera número de casos de racismo no futebol.

E o Aranha tem uma boa dose de razão, é só olhar pra arquibancada que a gente vê raiva, vê sentimentos ruins. Não só com ele, mas estes dias teve torcedor raivoso com o próprio D’Alessandro.

Sei que o cara lidou errado com a questão, generalizou tudo, foi midiático, quis aparecer até mais do que a causa, mas não venham me dizer que o Aranha estava sendo vaiado como qualquer outro atleta, né? É óbvio que existe um clima bélico contra ele aqui porque as pessoas pensam mais no clube do que na humanidade.

E aí eu preciso lembrar: gente, ele foi vitima de racismo aqui. Isso não muda. Independente da arrogância, de ter tipo uma declaração homofóbica posterior, neste caso, ele é a vítima. O erro aconteceu.

Ah, a punição foi severa demais? Óbvio que foi. O clube identificou a torcedora, tomou suas medidas, fez campanhas. Mas isso não é necessariamente culpa do jogador. Ele foi ofendido e, mesmo com seus erros, ele é a vítima disso tudo.

Eu sou loiro dos olhos verdes, não imagino alguém pejorativamente me chamando de macaco, mas deve ser humilhante.

Então, minha gente. Vamos ser bem sinceros: o Aranha tem sua dose de razão. As pessoas vão com ódio pro estádio sim. Se criou uma cultura que torcedor pode tudo. Não, não pode.