Na saída de campo, Pottker foi claro quando perguntei se o Inter jogou bem: “nem um pouco, nem um pouco”. O lado bom é que pelo menos os boleiros estão entendendo que não conseguem engrenar, que as coisas não andam.

Danilo Fernandes acredita que é preciso se adaptar o mais rápido possível ao que acontece no jogo, pra só ai poder fazer o estilo de jogo colorado prevalecer.

“Se fosse fácil saber onde está errando, corrigiria rapidinho”, explicou ele pra gente na coletiva.

Roberto Melo pensa que é preciso “trabalhar mais”. O dirigente admite que o rendimento é pouco, que é preciso ter regularidade, algo bem longe neste momento. A vitória contra o Ceará, considerado o melhor jogo do time pela direção, estava começando a empolgar, mas o balde de água fria foi pesado contra o CRB. A sensação que fiquei nesta viagem de uma semana com todo elenco é que ninguém sabe o que fazer para que as coisas voltem ao lugar. É tudo meio novo na B.

“Trabalhando com pessoas, nem sempre as coisas acontecem na velocidade que você espera”, disse Guto, que completou:

“Você caí, levanta, caí levanta, e neste levantar, vem mais forte. É justamente esta força que vai te levar onde você quer”.

A direção dá conforto, eles ficaram em hotéis 5 estrelas, os mesmos da Série A, tiveram uma pequena folga pra pegar uma praia e voltaram em voo fretado ainda no sábado pra ter o domingo de folga. A reapresentação é apenas nesta segunda à tarde, quando já começa a concentração pro jogo contra o Luverdense. Klaus está suspenso pelo terceiro amarelo. A única notícia boa é que, mesmo na 7º colocação, ainda tem só dois pontos de diferença pro primeiro time no G4.

Foto: Ricardo Duarte/Inter.