Roberto Melo, vice de futebol do Internacional, esteve na Radio Gaúcha neste sábado. Aqui um resumo dos principais pontos que ele disse:

  1. O empresário de D’Alessandro esteve em Porto Alegre e a direção colorada o procurou para manifestar o desejo de renovar com o argentino.
  2. Não quis falar sobre a contratação de um substituto de D’Alessandro, apenas explicou que demorou para contratar Camilo porque não adiantava contratar um meia qualquer, tinha que ser um deste nível. Demorou, mas veio.
  3. Disse que assumiu o futebol e se tomou conhecimento que os salários dos jogadores estava atrasado em quase 3 meses. Uma soma muito alta. Isso prejudicou nos reforços, mas eles conseguiram pagar tudo que deviam pro elenco já em março. A venda de William foi fundamental pra isso. 
  4. O único jeito de contratar neste ano foi parcelar tudo em muitas vezes, afinal, não tinha dinheiro em caixa. Então, teremos prestações pelos próximos anos.
  5. O valor recebido na venda do William serviu para pagar “as entradas” nas negociações de jogadores comprados nesta temporada e ainda sobrou 50% da venda. Não quis revelar o valor exato, mas pouco mais de R$ 15 milhões entraram na negociação e cerca de R$ 8 milhões foram nas prestações.
  6. Alguns jogadores tiveram sondagens, mas a direção nem aceitou conversar. Afinal, os clubes europeus sabiam que o Inter estava na segunda divisão e, por isso, atletas que a direção sabe que valem 8 ou 10 milhões de Euros, tiveram sondagens de 3 ou 4 milhões de Euros.
  7. Mesmo longe, D’Ale acompanhava tudo que estava acontecendo aqui, ele sabe o que houve enquanto Piffero esteve na gestão. Por isso, disse que irá falar após a classificação na Série A. O dirigente afirma não saber o que o capitão vai “desabafar”.

Foto: Reprodução Facebook