Um turno depois, o caso está parado, praticamente encerrado, por falta de provas. Em contato com o jurídico do time nordestino, eles explicam que não foi possível captar alguma imagem ou testemunha contundente que pudesse garantir a veracidade da ofensa. Ficou apenas a palavra do Elton contra a do Cuesta.

No jogo do primeiro turno, o centroavante Elton acusou o zagueiro Victor Cuesta de injúria racial. Na versão do jogador do Ceará, o argentino lhe chamou de “macaco”. Cuesta negou ter usado esse termo, falou que teve xingamentos, mas com respeito.