Marcelo Oliveira, 30 anos, é o tipo de jogador que todo treinador quer ter no vestiário. Líder, experiente, joga onde for colocado e tá sempre de bom humor.

Perguntei pra ele como tem sido a nova fase aqui, agora na reserva, e percebi que Marcelo não perdeu a alegria de trabalhar. Procurando sempre ver o lado positivo, o lateral garante não ter motivos pra trabalhar. Sua vida em Porto Alegre é feliz.

Jogar ou não é uma questão de momento. Ele era o titular até lesionar o ombro. Cortez entrou, deu conta do recado e merece estar onde está. O respeito pela opção de Renato sempre existiu.

A meta agora é continuar ajudando de outras formas, sendo uma peça importante de suporte para os companheiros que estão na titularidade e esperar que uma nova chance vai aparecer.

Muitos de nós vemos futebol apenas com o que acontece no campo, mas o lado de fora também é fundamental. E Marcelo é esse tipo de jogador.

Foto: Lucas Uebel/Grêmio